Artigo escrito por Dr. André Petzet Barreiros - CRO/PR: 22.368

A reabilitação oral é um objetivo da humanidade desde tempos imemoriais. Em diferentes épocas e culturas podem ter achados arqueológicos que demonstram essa busca, como por exemplo, dentes de madeira, marfim, restaurações com resina de árvores, amarração de dentes de cadáveres em dentes naturais, dentre outras.

 

Enquanto antigamente as reabilitações eram realizadas de maneira improvisada e artesanal, quase como usando a técnica da tentativa e erro, nos tempos modernos, com o advento do método científico e a evolução de técnicas e materiais, os tratamentos foram se tornando cada vez mais previsíveis, com pouca margem de insucessos.

 

Na odontologia moderna, mas há algumas décadas atrás, ela oferecia poucas opções reabilitadoras para os pacientes, ao conversar com nossos bisavós, avós e, dependendo da localidade, até com nossos pais, ouvimos aquela velha história: “Antigamente os dentistas só arrancavam os dentes e colocavam dentadura”. É claro que o objetivo sempre foi o de preservar o máximo possível os dentes naturais, mas os recursos e opções eram mais limitados. Isso mudou muito nos últimos anos, a qualidade de materiais e técnicas deu um salto exponencial e possibilitou a nós, dentistas, oferecer diversas opções para promover saúde, equilíbrio, bem-estar e autoestima aos nossos pacientes.

 

A reabilitação oral hoje é muito mais ampla do que antigamente, visamos o reestabelecimento da função mastigatória, equilíbrio muscular, manutenção do tecido ósseo e gengival, estética oral satisfatória e por que não, estética facial também. Muitas vezes, por exemplo, a reabilitação começa com uma ortodontia para correção da posição dos dentes existentes na boca, passa pela instalação de implantes na sequência e termina com uma harmonização facial para fechar com chave de ouro e devolver autoestima.

 

As opções hoje podem suprir os mais variados orçamentos familiares, podemos ainda pensar por questões econômicas em indicar dentaduras e próteses parciais removíveis, hoje procuramos evitar esses tipos de prótese, por não oferecerem conforto, função mastigatória de qualidade, estética e qualidade de vida adequados segundo os recursos que temos para oferecer, mas sempre iremos dar opções para que o paciente participe da escolha do tratamento mais adequado para si, ao invés de dar somente uma opção e limitar o poder de decisão do paciente sobre sua saúde.

 

Quando temos perda de dentes, o que podemos oferecer de melhor hoje com certeza são os implantes dentários que evoluíram muito ao longo das últimas décadas. Os implantes são muito bons especialmente por oferecerem o benefício de preservar o osso do paciente, pois onde se tem a perda de um dente, nosso próprio organismo identifica aquele osso sem função (afinal não existe mais um dente ali) e o reabsorve, então o melhor momento para se colocar um implante é logo após a perda daquele dente para minimizar os efeitos ruins que podemos ter, afinal, com o implante fixado no osso, nosso corpo vai reconhecer que aquele osso está em função. As opções que temos com implantes são diversas, desde um único dente ser fixado em um implante, até um grupo de dentes 2 a 4 dentes em dois implantes em uma espécie de ponte fixa ou até a fixação de uma “dentadura” em 4 a 8 implantes, opção que chamamos de prótese protocolo. Além da possibilidade de colocar implante logo após a extração de um dente, hoje temos a possibilidade de fazer implantes com carga imediata, conceito onde em até uma semana após a colocação do implante o paciente pode sair com seus dentes definitivos na boca, sem precisar ficar meses esperando para colocar a prótese definitiva.

 

Como a vida moderna hoje tem trazido mais estresse e ansiedade para as pessoas e como estamos vivendo mais, cada vez mais temos casos de pessoas que sofrem desgastes enormes em seus dentes, principalmente pelo bruxismo, que se não controlado pode “acabar” com os dentes, então cada vez mais e mais temos devolvido o formato adequado dos dentes com próteses em porcelana cimentadas diretamente em cima dos dentes, podendo ser desde coroas totais, até facetas/lentes de contato.

 

Podemos ainda pensar naquelas pessoas que querem melhorar sua estética, afinal nossa autoimagem, como nos percebemos e nos vemos é muito importante, um sorriso sem imperfeições podem fazer a diferença entre uma pessoa se sentir confiante suficiente para conversar bem em uma entrevista de emprego por exemplo e conquistar aquela vaga tão desejada, hoje se tem uma grande busca por estética e satisfação pessoal então podemos oferecer a opção de lentes de contato em porcelana, plástica gengival, facetas em resina direta, clareamento, dentre outras opções para valorizar a autoestima do paciente. E por que não pensar em uma harmonização facial também, para valorizar o quadro (sorriso) e a moldura também (rosto), com botox e preenchedores podemos amenizar linhas de expressão, preencher sulcos, diminuir o sorriso gengival, dar volume a lábios, etc., tudo de acordo com a necessidade pessoal do paciente e sempre com responsabilidade, quando fazemos harmonização facial falamos sempre que menos é mais, para não causar a impressão de algo artificial.

 

A reabilitação portanto engloba praticamente todas as especialidade da Odontologia dependendo do caso, afinal podemos ter um paciente que necessite de implantes simplesmente ou um paciente que precise de uma combinação desses diversos tratamentos. O importante é focar na devolução de qualidade de vida e autoestima ao nosso paciente como um objetivo final, dando opções de como chegar lá, sempre com responsabilidade e clareza para que consigamos chegar no tão sonhado sorriso que pode iluminar vidas.